MiscelâneasJoCardozo.Com












Na Região Amazônica, existe um lugar chamado Atalaia do Norte. Um local de 5 Mil habitantes que vivem entre o rio e a mata, localizada na fronteira peruana e é uma das maiores reservas indígenas do Brasil. Lá existe um grupo de teatro que enfrentam a frustração e crítica do público de um Festival de Folclore que acontece todo ano e o assunto abordado na peça é sempre sobre alguma lenda da região . Nesse grupo, existem integrantes que sempre foram de opiniões contrárias aos temas apresentados ou acomodados a eles.

 

No meio disso tudo, um jovem, índio da tribo Marubo – É o primeiro a levantar a questão de que se devem mudar os temas sempre abordados nas peças de teatro – e se espalha um rastro de incômodo aos mais antigos e responsáveis pelo grupo.

 

O nome desse rapaz é Geum, mais conhecido como Ge , bonito, tem 25 anos. Sempre foi criado na aldeia dos Marubos, apesar de nunca ter conhecido seus pais, teve uma figura feminina importante: sua tia.

 

A cidade de Atalaia do Norte e suas vizinhanças mesmo depois de muitas gerações continuam da mesma forma e o grande reduto da população é de miscigenação de peruanos e índios da Amazônia. Fato este, que despreocupa os acontecimentos futuros do local.

 

Ge, Ramon e Paola, se conheceram no teatro. Ramon e Paola sempre acharam Ge, muito sonhador e o admiravam por isso e mais ainda por ser ele um inovador. Além de ter um sonho de ser ator, Ge liderava um grupo de artesãos de sua aldeia de “tecedores de redes” . Vendia para quase todas as cidades da Região Norte e Nordeste por um preço muito nobre, mas era muito respeitado e reconhecido por todos. Trazia para a sua tribo desde notícias à inclusão digital … Pois a cidade ainda é um entreposto comercial, conhecido como “Remate” – troca de mercadorias.

 

Ramon e Paola são irmãos. Ele tem 25 anos e ela 20, e eles são da cidade de BC, fronteira com o Acre e vizinha da cidade de Atalaia (onde todo mundo parece japonesinho – difícil saber quem é índio, peruano ou ribeirinho), apesar de serem como índios americanos e brancos. Uma Cidade que já sofre com os poderes da indústria-sócio-econômica e desmatamentos a todo instante. Eles vivem em Atalaia, no sobrado em cima de um bar que vende peixe frito e açaí – Bar da Barracuda.

 

Ge recebe sempre os visitantes da cidade e sempre prepara seus artesãos para as comemorações anuais da Festa de Folclore Junina. Há mais de um ano Ge tenta aprimorar a idéia da mudança nas peças, pois ele quer demonstrar como as coisas mudaram e porquê cada vez mais a cidade tem recebido menos pessoas para os festivais de dança e principalmente de teatro, que eram as atrações principais. Só assim a grande maioria da população saberia o que estava acontecendo.

 

Por sua ansiedade, Ge é afastado do grupo de teatro que o via como uma ameaça, e se propõe a ter uma segunda opinião. Informa a todos que competirá no próximo festival, pois nunca havia tido a oportunidade de usar suas opiniões sobre a atual e futura Amazônia com as lendas, transformando assim sua cidade.

 

Após essa mudança, Ramon o procura e diz que quer fazer parte dessa parceria, pois não via futuro em um grupo que não mudaria. Ge, diz que precisarão ensaiar muito até o festival e eis que Paola, por ser irmã de Ramon, os segue mesmo contrariada e participa desse trio para essa nova etapa. O líder diz que pretende falar como será a Amazônia de 2050.

 

Ge os leva para a tribo de Marubo, que ao entardecer é um paraíso. Ele apresenta sua aldeia e mostra as malocas onde dormiam. Ainda se podia ver alguns dos nativos com enfeites típicos à tradição da aldeia. Depois os leva para conhecer a cachoeira “Pequenina”. Após 20 minutos de trilha podiam perceber diversas pessoas da tribo que pareciam estar participando de algum ato como uma seita. Podiam ver de longe uma chuva quando o rio desembocava na parte baixa da cachoeira como chuva e logo depois, um lençol de borboletas amarelas os cobriam e eles ficavam ali, meio que em transe, e falando em outras línguas.

 

Paola, injuriada por não saber o que tudo aquilo iria agregar no tema abordado por Ge, pergunta por que os levara ali. Ge os apresenta o Daime (Chá) que é da seita Santo Daime que é considerado a “Religião da Floresta” e diz que através deste, podem viajar no tempo e ver como será a Amazônia em 2050. Mesmo achando loucuras e por tempos se passar e nada acontecer, os dois irmãos retornam a tribo de Ge e experimentam o chá que os levariam a viajar no tempo.

 

Eis que o trio chega nesse período como líderes da Aldeia. Ge percebe que tem uma forte ligação com Paola, e com o tempo descobrem que são casados mas não se envolvem amorosamente enquanto estão ali (futuro). Conforme os mistérios vão se desenrolando descobrem que somente a tribo de Marubo é sobrevivente em meio aos desmatamentos e tecnologias que chegaram a outras cidades e a missão deles é reflorestar e repassar a importância do desenvolvimento sustentável para todos os povos que foram perdendo sua cultura, seus costumes e por isso ficam doentes e em desespero tornam-se pessoas agressivas que lutam pela sobrevivência … Haverá lutas para manter Marubo e ressuscitar as cidades que morreram.

 

Quando voltam, percebem que podem apresentar a conscientização através de uma peça de teatro informando o que pode acontecer (aparecendo à cena no final da peça). As pessoas aplaudem de pé … E a partir daí, eles percebem como se tornam líderes de Marubo. Ge se casa com Paola.

 

No decorrer …

 

A idéia é mostrar sobre os povos sobreviventes e as guerras, além de todos os tipos de situações devastadoras que possam existir: a falta de água, a selva virando uma savana, oxigênio, a lei de sobrevivência acima de qualquer outra, a luta de poder por terras ricas ainda frutíferas …

 

Não sei como poderia desenvolver a liderança,a união ou as indiferenças de cada um deles, mesmo Ge e Paola sendo casados … Luta entre mulheres e homens a favor da sobrevivência…

 

Ge na era da Amazônia 2050, será o único a saber porquê estão ali, e quando a união * dos três acontece, podem retornar do momento que estavam em transe

 

* mesmo sendo da mesma tribo no começo, eles podem vir a ser rivais no futuro em busca do poder.

 

Misturando uma lenda de curupira com ficção científica….

 

 

Anúncios


Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

et cetera
%d bloggers like this: